Série Paz no Mundo: os cristãos em meio a guerra

Como cristãos, imitadores e seguidores de Jesus Cristo, não apoiamos a guerra porque ela traz destruição, produz a fome, o medo, causa fuga de pessoas de seus territórios, mortes, principalmente de inocentes, e deixa marcas profundas na vida das pessoas.

Mas é preciso falar de guerra para valorizarmos a paz! Por isso, preparamos uma série sobre Paz no Mundo, em três postagens! Nesta primeira, falaremos sobre o significado da guerra e as lutas que os cristãos travam para cultivar a paz na vida e nos relacionamentos.

Mais à frente, trataremos sobre como a Igreja e os papas se posicionaram diante da guerra. Desde já, convidamos você a alimentar a paz no coração a fim de que todos ao seu redor vivam também em paz!

A paz não é ausência de guerra

dicionário da Língua Portuguesa define guerra como: luta armada entre nações ou entre partidos; combate, batalha; conflito armado entre povos ou etnias diferentes, buscando impor algo pela força e pela violência, com o objetivo de proteger seus próprios interesses.

De fato, a guerra é uma luta em benefício dos próprios interesses. Basta acompanhar um pouco os noticiários para entender a briga por territórios, por dominação ideológica, por poder etc. que algumas nações travam umas com as outras.

Agora, a guerra é sadia quando lutamos contra nossos próprios interesses! Neste caso, não usamos o sentido literal da palavra, mas figurado. Por exemplo, um dependente de drogas trava uma guerra contra o vício para se libertar totalmente e suas armas são outras. 

Então, dizemos que a paz não é ausência de guerra! Em todos os momentos, travamos batalhas dentro de nós contra o orgulho, o egoísmo, a violência, a doença, o medo, vários tipos de escravidão e também contra as opiniões diversas que atacam a fé cristã. 

Cristo é o remédio contra a guerra

O Evangelho é a mensagem da Paz! Nele Cristo nos aconselhou até a amar nossos inimigos (Lc.6,27-28). Ou seja, que sejamos contrários à guerra em todos os sentidos. E através da oração, do respeito ao outro e de atos concretos, plantemos a paz.

De fato, para vivermos em paz conosco e com o outro, precisamos de Cristo! Ele é o modelo da paz porque não enfrentou o império romano com armas, repreendeu Pedro com a espada e deixou-se crucificar porque não queria nos ver mortos pelo pecado.

No entanto, essa postura cristã contrária à guerra nos pede conversão de vida, exige de nós um olhar semelhante ao do Mestre, que nos vê como seres humanos, mesmo tão diferentes, mas irmãos e sobretudo filhos de Deus. 

Dessa forma, o trabalho contra a guerra é, antes de tudo, um trabalho na vida pessoal que, ao mesmo tempo, pede uma motivação forte para acontecer, uma experiência pessoal com quem de fato nos ama e acalma nosso interior: Cristo Jesus! 

Os primeiros cristãos são instrumentos de paz

Às vezes imitar Cristo contra práticas que causam guerra parece uma medida muito alta. Então, que tal recordarmos os primeiros cristãos, que deram suas vidas pelo ideal evangélico da paz?! 

Eles enfrentaram o preconceito, a perseguição e a guerra com as armas do amor, do diálogo e da caridade. Um santo dos séculos II e III chamado Irineu dizia que o Senhor veio realizar as escrituras através da instalação da paz (Is 2, 3-4; Mq 4,2-3).

Já São Justino afirmou que os primeiros cristãos eram os melhores ajudantes para a manutenção da paz no Império Romano, porque eles lutavam contra a injustiça, a pobreza e o sofrimento que as pessoas enfrentavam através da caridade e do amor fraterno.

Tanto Santo Irineu como São Justino foram martirizados. Além da multidão de cristãos que deram suas vidas nas arenas de Roma porque não negaram a fé e nem aprovaram os métodos de dominação romana!

A coragem dos mártires é combustível para a paz!

“Nunca mais a guerra” (Papa Francisco)

Na sua histórica viagem ao Iraque, O Papa Francisco afirmou:

“Calem-se as armas! Limite-se a sua difusão, aqui e em toda a parte”.

Essas palavras são de 2021, em pleno século XXI, quando é urgente o trabalho pela paz contra qualquer atitude de guerra.

As palavras do Santo Padre nos orientam para a oração e a colaboração contra a guerra. No entanto, devemos lembrar que a paz começa na vida cotidiana, na luta contra a violência doméstica, a intolerância religiosa, o desrespeito aos direitos da pessoa etc.

Sem falar nas falsas notícias que povoam as redes sociais e espalham o ódio e a vingança entre as pessoas. O que fazer diante disso? Trabalhar na construção do homem novo, formado à imagem e semelhança de Deus. Essa é a guerra que os cristãos devem travar.

Para isso, é preciso alimentar a fraternidade, a partilha do pão e o perdão constantemente. Reconhecer que a vida não se constrói sozinha, mas com a ajuda do outro e prática dos valores evangélicos que nos fazem proclamar: “Nunca mais a guerra”.

Agora, temos um ponto de partida para falar contra a guerra e a serviço da paz. Se a guerra é uma luta por interesses de poucos, a paz é uma construção solidária que começa com o sim de cada um de nós, principalmente dos cristãos.

Facebook
Twitter
Telegram
WhatsApp
Email

Leia também:

Rezemos uns pelos outros

“A intercessão é uma oração de petição que nos conforma de perto com a oração de Jesus. É Ele o único intercessor junto do Pai em favor de todos os homens, em particular dos pecadores. Ele ‘pode salvar de maneira definitiva aqueles que, por seu intermédio, se aproximam de Deus, uma vez que está sempre vivo, para interceder por eles.” (Catecismo da Igreja Católica, 2634)

Leia mais »

Deixe um comentário

Comunidade Recado

© 2021 comunidade católica recado. feito por fluxo soluções digitais.

plugins premium WordPress