Um cristão que não é testemunha é um falso cristão!

Um cristão que não é testemunha é um falso cristão!

O coração do cristão é magnânimo porque abre os braços para acolher todos com generosidade, afirmou o Papa Francisco em sua homilia na Missa celebrada na capela da Casa Santa Marta, nesta quinta-feira (28), dia em que a Igreja celebra a festa de São Tomás de Aquino. Concelebraram com Francisco alguns sacerdotes que festejaram 50 anos de ordenação.

“O mistério de Deus é luz”, disse o Santo Padre comentando o Evangelho do dia, em que Jesus diz que a luz não vem “para ser colocada debaixo de um caixote ou debaixo da cama, mas para ser colocada num candeeiro, para iluminar”.

O Pontífice explicou que esta é uma das características do cristão, que recebe a luz no batismo e deve doá-la. “Um cristão que carrega esta luz deve mostrá-la, porque ele é uma testemunha”. Quando um cristão prefere não mostrar a luz de Deus, mas prefere as próprias trevas – explicou Francisco- “estas entram em seu coração porque tem medo da luz”. E os ídolos, que são trevas, são mais apreciados, então falta algo: “lhe falta algo e não é um verdadeiro cristão”. O Santo Padre destacou a importância do testemunho. Para ele “um cristão é uma testemunha. De Jesus Cristo, Luz de Deus. E deve colocar esta luz no candeeiro da sua vida”.

Outra característica do cristão comentada pelo Papa foi a magnanimidade, “porque é filho de um pai magnânimo, de alma grande”. Ele afirmou que “o coração cristão é magnânimo. Está sempre aberto. Não é um coração que se fecha no próprio egoísmo ou pelo menos se mede até aqui, até lá. Quando você entra nesta luz de Jesus, entra em amizade com Jesus e se deixa guiar pelo Espírito Santo, o coração se torna aberto, magnânimo…”

“O cristão, naquele ponto, não ganha – continuou Francisco – perde, mas perde para ganhar outra coisa, e com essa derrota de interesses, ganha Jesus, ganha se tornando testemunha de Jesus”.

Entre os presentes na Missa, estava um grupo de sacerdotes que completaram 50 anos de ordenação, e concelebraram com o Papa. A eles Francisco dirigiu as seguintes palavras: “Para mim é uma alegria celebrar hoje com vocês que completam 50 anos de sacerdócio: 50 anos no caminho da luz e do testemunho, 50 anos buscando ser melhores, buscando levar a vela ao candelabro. Às vezes ela cai, mas vamos novamente, sempre com o desejo de oferecer luz generosamente, ou seja, com o coração magnânimo. Somente Deus e vocês sabem quanta gente vocês receberam com magnanimidade, com a bondade de pais, de irmãos. A muitas pessoas que tinham o coração um pouco escuro vocês ofereceram a luz, a luz de Jesus. Obrigado. Obrigado pelo que vocês fizeram na Igreja, pela Igreja e por Jesus”.

Para concluir a homilia, Francisco pediu: “Que o Senhor lhes dê a alegria, esta grande alegria de ter semeado bem, de ter iluminado bem e aberto os braços para receber todos com magnanimidade”.

Por Zenit.


Você acha que está faltando mais formação para os artistas católicos? Então CLIQUE AQUI e temos uma solução para te apresentar.