Sou Ministro de Teatro ou sou ator?

Sou Ministro de Teatro ou sou ator?

Dentro de muitas comunidades e grupos de oração pertencentes à Igreja Católica, é muito comum utilizarmos a denominação “Ministro de Teatro” para se referir ao ator que exercita a arte do teatro dentro da Igreja para fins de evangelização. No entanto existe uma razão de existir para tal classificação, que se justifica não apenas teoricamente, mas, principalmente na prática.

De acordo com o Dicionário Houaiss, ator é “aquele que desempenha um papel em peças teatrais, filmes, novelas etc.”. Tomando por base tal denominação, percebe-se essa atividade sendo realizada pelos que trabalham o teatro dentro da Igreja. Sendo assim, estes que fazem papéis em peças podem ser chamados de atores.

Ainda considerando o Dicionário Houaiss, ministro é, “aquele que, na religião, exerce um ministério, como pregar, administrar os sacramentos etc.”. Ou seja, é uma ação que vai além do papel em si, pois se utiliza desse papel para levar a Deus. O pregador, por exemplo, não utiliza apenas o seu dom de falar, mas também utiliza as experiências que teve e o que aprendeu da Igreja. Um ator não precisa de experiências religiosas para trabalhar em uma peça de teatro. Até mesmo se essa peça está voltada para a evangelização. Já o ministro de teatro é alguém que realiza sim um trabalho teatral, mas esse trabalho está aliado a uma experiência pessoal com Deus.

Podemos seguir dizendo que ser ator está mais voltado para uma profissão, para um ofício, enquanto o ministro de teatro está relacionado à noção de vocação, vocação essa entendida aqui em todo o seu sentido religioso. A vocação do ministro de teatro é dada por Deus. Deus é quem chama e o homem responde em sua liberdade. Nesse ponto a resposta humana é fundamental. O chamado de Deus não pode acontecer em plenitude sem que haja a nossa cooperação e o nosso sim. Podemos afirmar que todo ministro de teatro exerce o ofício de ator em algum momento, mas nem todo ator é ministro de teatro. No teatro secular nem todo mundo que trabalha com teatro é necessariamente um ator, com muitas pessoas trabalhando exclusivamente como figurinista, cenógrafo, iluminador etc. Quanto ao ministro de teatro é comum que, pela escassez de pessoas que se disponham a evangelizar por meio desse ministério, na maioria dos casos esse ministro tenha que ser necessariamente um ator em seu ministério para o bom andamento dos trabalhos. Isso não significa que em algum contexto Deus possa chamar pessoas que se dediquem com mais exclusividade para outras áreas que também fazem parte do grande universo que é o teatro.

Por fim é preciso que deixemos o seguinte questionamento: O que eu tenho sido em meu grupo ou ministério de teatro? Um ator sem experiência pessoal com Deus ou um ministro de teatro que testemunha uma autêntica e profunda vida de santidade? Deus é o Deus de atores e ministros, mas nós não podemos servir a dois senhores.

 

Por Leonardo Falconeri e Cláudia Pessoa, Membros da Comunidade Recado.

 

 

 

 

Você acha que está faltando mais formação para os artistas católicos? Então CLIQUE AQUI e temos uma solução para te apresentar.