Série Sagrado Coração de Jesus

Série Sagrado Coração de Jesus

Santa Margarida Maria e a revelação do Coração de Jesus

 

A devoção ao Sagrado Coração de Jesus tem sua origem na Sagrada Escritura. Quando João, o discípulo amado, se inclina sobre o peito de Jesus durante a última ceia (Jo 13, 23), ali o Coração de Jesus já começava a ser sutilmente revelado à humanidade. Posteriormente, na Crucificação de Jesus, quando o soldado abre o lado de Jesus com a lança e de seu coração jorra sangue e água (Jo 19, 34), o Coração de Jesus é exposto a toda a humanidade, revelando por Ele a Misericórdia do Pai.

Alguns estudiosos, teólogos e padres da Igreja ao longo da história falavam do Coração de Jesus. Contudo, a devoção ao Sagrado Coração de Jesus tem seu início com Santa Margarida Maria de Alacoque, uma jovem religiosa da Ordem da Visitação. Jesus apareceu a Margarida Maria para transmitir sua mensagem de misericórdia e confiança, expressa no Coração humano e divino do Verbo Encarnado.

Margarida Maria de Alacoque nasceu em 22 de julho de 1647, filha de Cláudio Alacoque e de Felisberta Lamyn. Desde seu berço Deus queria Margarida só para Si. Em sua biografia Santa Margarida Maria narra: “Ó meu único Amor, quanto vos não devo eu, por vos terdes adiantado a mim desde a mais tenra infância, tornando-vos o senhor e possuidor do meu coração, apesar de bem conhecerdes as resistências que ele vos havia de opor! Logo que tive consciência de mim, fizestes ver à minha alma a fealdade do pecado, imprimindo em meu coração tanto horror a ele, que a menor mancha me era insuportável tormento; e para me moderarem na vivacidade da minha infância, bastava dizerem-me que aquilo consistia em ofender a Deus; isto logo me continha, e me apartava do que eu queria fazer”.

Desde sua infância Margarida Maria passou por diversos e profundos sofrimentos. Até este momento ela não compreendia o que esse sofrimento significaria em sua vida, mas guardava tudo em seu coração e se abandonava em Deus. No dia 25 de agosto de 1671, festa de São Luís Rei, ela tomou o hábito de noviça e disse: “Estando já revestida do nosso santo hábito, meu divino Mestre fez-me ver que era chegado o tempo dos nossos esponsais, que davam a Ele novo domínio sobre mim e me traziam dobrada obrigação de O amar com amor de preferência”.

Em sua vida como religiosa os seus sofrimentos não dissiparam, porém foram significados pelo próprio Cristo que escolheu ser Ele mesmo o educador da alma de Margarida Maria. Ela fez sua profissão no dia 6 de novembro de 1672 e como uma esposa, Margarida deveria participar agora, de um modo mais direto, dos interesses de seu divino Esposo, que a preparava para a grande missão de sua vida: receber e propagar a devoção ao Sagrado Coração de Jesus.

Eis que no dia 27 de dezembro de 1673, estando diante do Santíssimo Sacramento, Jesus lhe disse: “Meu divino Coração está tão abrasado de amor para com os homens, e em particular para contigo, que, não podendo já conter em si as chamas de sua ardente caridade, precisa derramá-las por teu meio, e manifestar-se-lhes para os enriquecer de seus preciosos tesouros, que eu te mostro, os quais contêm a graça santificante e as graças salutares indispensáveis para os apartar do abismo da perdição; e escolhi a ti, como abismo de indignidade e ignorância, para a realização deste grande desígnio, para que tudo seja feito por mim”. Dá-se assim, início às revelações do Sagrado Coração de Jesus à humanidade por meio de Santa Margarida Maria. Ela recebeu de Jesus a missão de espalhar pelo mundo a devoção ao Sagrado Coração de Jesus ofendido pela ingratidão dos homens.

Jesus revelou a Santa Margarida Maria as Promessas de Seu Coração – as conhecidas 12 Promessas do Sagrado Coração de Jesus:

 

1ª Promessa: “A minha bênção permanecerá sobre as casas em que se achar exposta e venerada a imagem de Meu Sagrado Coração”;

2ª Promessa: “Eu darei aos devotos de Meu Coração todas as graças necessárias a seu estado”;
3ª Promessa: “Estabelecerei e conservarei a paz em suas famílias”;

4ª Promessa: “Eu os consolarei em todas as suas aflições”;

5ª Promessa: “Serei refúgio seguro na vida e principalmente na hora da morte”;

6ª Promessa: “Lançarei bênçãos abundantes sobre os seus trabalhos e empreendimentos”;

7ª Promessa: “Os pecadores encontrarão, em meu Coração, fonte inesgotável de misericórdias”;

8ª Promessa: “As almas tíbias tornar-se-ão fervorosas pela prática dessa devoção”;

9ª Promessa: “As almas fervorosas subirão, em pouco tempo, a uma alta perfeição”;

10ª Promessa: “Darei aos sacerdotes que praticarem especialmente essa devoção o poder de tocar os corações mais endurecidos”;

11ª Promessa: “As pessoas que propagarem esta devoção terão o seu nome inscrito para sempre no Meu Coração”;

12ª Promessa: “A todos os que comunguem, nas primeiras sextas-feiras de nove meses consecutivos, darei a graça da perseverança final e da salvação eterna”.

 

Por Laianne Viana, Membro da Comunidade Recado

 

Refefências

DUFOUR, Gerard. Na Escola do Coração de Jesus com Margarida Maria.

LADAME, Jean. Doutrina e espiritualidade de Santa Margarida Maria. Edições Loyola. São Paulo: SP, 1985.

 

 

CLIQUE AQUI para saber o que é possível fazer pela arte católica no Brasil.