Será que sou feio(a)? Isso me tira a paz?

Será que sou feio(a)? Isso me tira a paz?

Como não estou vendo quem está lendo esse texto fico em uma posição complicada para responder a pergunta do título. Mas, mesmo que eu pudesse olhar para você e emitir uma opinião a respeito da sua aparência isso não ia servir para muita coisa, pois a beleza tem a ver com a forma com que nos olhamos.

Logo, podemos dizer que existe alguns irmãos feios no mundo porque eles se sentem feios. Por mais que se reze e se pregue a respeito da beleza intrínseca de cada um como obra perfeita de Deus isso pode não ter tanto efeito por alguém se sentir feio. Claro que existe algo de feio em cada um de nós. Não existe ninguém que seja bonito em tudo ou até que não tenha uma parte do corpo que não gosta. Precisamos diante disso assumir uma postura de aceitação com o que temos. E aceitar quem não podemos ser.

O cristão pode e deve fazer algumas intervenções na sua aparência para melhorar sua estética. Dietas, atividades físicas e roupas bonitas são iniciativas bem-vindas dentro de um limite. Tudo isso deve ser feito respeitando as regras da castidade e se evitando cair num exagero que leve a um culto ao corpo ou à aparência. Outro limite disso é que essas iniciativas têm um limite e não podem mudar tão drasticamente a sua aparência. Então sempre vai sobrar algo que precisemos aceitar em nossa aparência. Nós não somos perfeitos porque Deus não nos fez perfeitos.

Tendo em vista tudo isso o importante que fica em relação à nossa aparência é a questão da aceitação. Precisamos nos trabalhar para nos aceitar em relação ao que somos e como Deus nos fez. Não é preciso ser a pessoa mais bonita que existe (essa pessoa não existe) para ser feliz. Como posso ser uma pessoa não tão bonita e ser feliz? Talvez focando e valorizando os seus outros dons. Você pode ser uma pessoa de aparência não tão boa, mas possuir uma voz linda. Se não existe alguém que seja toda bonita, também não existe alguém que seja toda feia. Possuímos outras características e outros dons que são aspectos muitos importantes. A questão é que não dá para ter tudo. Em alguma parte vamos perder e precisamos aceitar isso. Nossos limites são coisas que Deus permitiu que servem para reconhecermos que Deus é o centro e o perfeito. Nós somos criaturas limitadas e imperfeitas que sem Deus não conseguimos encontrar o repouso perfeito para nossa alma.

Você pode até ser feinho. Não encontrar em si muitas coisas boas na sua aparência. Mas, o importante é que em meio a tudo isso você tem Deus na sua vida. E Deus te deu muitas coisas boas, basta encontrar. É melhor ser um feio com Deus do que um feio sem Deus.

 

Por Leonardo Falconeri, Psicólogo e Membro Compromissado da Comunidade Recado

 

 

CLIQUE AQUI para saber o que é possível fazer pela arte católica no Brasil.