São Francisco e a Preparação para o Natal

São Francisco e a Preparação para o Natal

A montagem do presépio é atualmente uma grande tradição para os cristãos e faz parte da preparação das pessoas para o Natal. Ao que se sabe, o primeiro presépio foi organizado e montado por São Francisco, em 1223. 

Naquele ano, Francisco desejara celebrar o nascimento de Jesus de maneira especial. Para isso, pediu a seu amigo João Velita que preparasse em uma grande gruta, na cidade de Gréccio, um presépio. “(...) vais preparar para mim, naquela gruta grande ali em frente, um presépio verdadeiro (...). Leva, para lá, um boi e um asno para termos a impressão exata de como aconteceram as coisas na gruta de Belém. Anuncia esse acontecimento aos habitantes de Gréccio e convoca-os solenemente para a noite feliz”.[1]

A preparação do Santo para o Natal não consistiu apenas em montar um presépio vivo. Durante os dias que antecederam a grande noite da celebração do Natal, Francisco “Fechava-se o dia inteiro, na gruta das rochas, pensando na pobreza de Belém, no mistério do Natal, na reconciliação universal entre a matéria e o espírito, nos esponsais do céu com a terra”.[1] 

Um pouco antes da Noite Feliz, Francisco já estava reunido com os irmãos onde foi preparado o presépio vivo. Lá ele começou a lhes falar sobre o mistério daquela noite: “(...) Deus chegará à meia-noite e responderá a todas as expectativas. Deus virá montado em um humilde burrinho, virá no seio de uma Mãe Pura. Deus virá esta noite e trará presentes. Trará uma caixinha de ouro cheinha de humildade e de misericórdia. A ternura virá pendurada em seu braço. Deus virá essa noite”.[1]

Essa é a verdadeira intenção do Natal, nos trazer essas reflexões. O Menino Deus que nasce na pobreza, na mais pura simplicidade. É o Rei do Universo que se curva em humildade e vem até nós da maneira mais suave possível. Trombetas soam no céu e anjos cantam louvores ao Deus menino, enquanto na terra tudo é silêncio, tudo é simplicidade, é intimidade.

Que nesse Natal, o Menino Jesus encontre nossos corações como o local onde Ele mesmo nasceu, humilde, simples, íntimo, silencioso. Que façamos essa experiência de aquietarmos nossa mente e coração para dar atenção àquele que vem trazendo a boa nova, a alegria, o renovo. É A Promessa que se cumpre, alegremo-nos!

 

Rayssa Miranda, membro da Comunidade Recado

 

[1] O Irmão de Assis – Inácio Larrañaga