Qualquer pessoa pode cantar. Como?

Qualquer pessoa pode cantar. Como?

Podemos ver ao longo da história, artistas que tinham como prática copiar obras de pintores clássicos para aprender e/ou desenvolver sua própria arte, já que na época o estudo da técnica era menos acessível e não pouco aprimorado. Tenhamos como exemplo o pintor fauvista Henri Matisse, que tinha esse costume. Matisse copiava obras de artistas como Chardin e, deste modo, aperfeiçoava-se, até o ponto em que seguiu seu próprio estilo e técnica.

Na arte do canto não vemos um histórico diferente. Durante muito tempo, o ato de cantar foi empírico ou nato, pessoas nasciam prontas para cantar ou cantavam seguindo seu “instinto”. Determinadas pessoas nasciam com certos privilégios: boa memória muscular, boa musculatura, caixa de ressonância ampla, articulação solta e clara, ouvido musical interno e externo, entre outros facilitadores para um grande desempenho de um cantor, considerando que nosso instrumento é natural. Podemos ainda citar exemplos como os pais de Beethoven e Mozart, que eram cantores natos e instruídos por pessoas natas, que automaticamente passavam a técnica a outros da família e assim sucessivamente.

A técnica do canto era fortemente embasada na imitação: os alunos escutavam os professores e tinham que produzir um som parecido com o de seu mestre. Abordagem dificilmente bem sucedida pelo fato de que cada cantor apresenta um instrumento vocal próprio e impulsos corporais diferentes a cada estímulo musical. O canto seguiu, durante muito tempo, essa linha, sofrendo, durante o tempo, algumas inovações. Hoje, esta ideia está totalmente quebrada graças a pesquisadores, cientistas e estudiosos que viram que o canto nada mais é que pura CIÊNCIA. Estudiosos da área, com total embasamento, desenvolveram o que ajudam no desenvolvimento da voz cantada, trabalhando todo o ser musical do indivíduo. Através dessa prática, pode-se descartar a hipótese de que: “apenas canta quem nasceu com o dom”. Isso passa a ser um mito! Podemos sim, com paciência e a longo prazo, construir uma boa voz cantada, utilizando recursos técnicos satisfatórios, sem depender de linha instintiva ou algo do gênero.

Sendo assim, pode-se dizer, com toda firmeza, que QUALQUER PESSOA PODE CANTAR, mas é bom deixar claro que é fundamental o empenho nos estudos e nas atividades de percepção e que o canto varia de pessoa para pessoa. O resultado que se alcança em determinado tempo pode não ser o mesmo que um amigo venha conseguir.

Procure um profissional bem orientado, conheça seu histórico como educador, sua vivência e experiências musicais e se entregue, acreditando que cedo ou tarde o resultado aparecerá com sucesso.

 


Por: Roderley Pereira (Arte-educador, educador musical e preparador vocal).

CLIQUE AQUI para saber o que é possível fazer pela arte católica no Brasil.