O Encontro

O Encontro

"Deus é mais íntimo de nós que nós mesmos”, dizia Santo Agostinho. Ele é tão próximo que até os fios de nossas cabeças estão contados (cf. Mt 10,30). Só na verdade de Deus é que, realmente, encontramos nossa verdade, nossa identidade. O que nos distancia de nossa identidade, de nós mesmos são nossas faltas, nossos pecados. A razão de ser e de existir da pessoa está contida na sua identidade, nos seus gestos, ações e práticas concretas. Por isso é necessário o encontro com nós mesmos para assim darmos sentido à nossa vida.

Santa Maria Madalena nos ensina que seu encontro com Jesus foi o encontro consigo mesma, o encontro com sua verdade. Ela fez a experiência de se conhecer, só assim ela pôde saber qual era sua verdadeira identidade. Enquanto todos os homens queriam apedrejá-la, um único homem derramou todo seu amor, toda a misericórdia em sua vida. Esse único homem a olhou de forma diferente, não a julgando, mas acolhendo-a em seu coração. Uma mulher que não conhecia o amor, não sabia seu valor, foi amada pelo maior dos amores.

Ao encontrar -se com Jesus, Ele escreve algo misterioso no chão. O que será que Jesus escreveu? Só sei que depois disso Maria Madalena encontrou consigo mesmo, encontrou com quem ela era de verdade. Ele é Deus e n’Ele estava a verdade dela. Desse momento em diante ela não é apenas uma adúltera desprezada por todos, mas uma mulher digna de ser amada, de conhecer sua beleza.

A partir desse encontro ela se tornou discípula de Jesus e olha que naquela época somente os homens podiam ser discípulos dos mestres. Ela rompeu com essa barreira. ‘’Eis que tudo se tornou novo em sua vida, se pôs a servir a Jesus e não desejava mais outra vida ‘’.

Após a morte de Jesus imagino como estava o coração de Maria Madalena, devia estar desesperada. Ela esteve com Jesus até o momento da cruz. Desesperada ficou ainda quando no sábado pela manhã foi até o sepulcro, onde tinham colocado Jesus e viu a pedra removida, correu prontamente ao encontro de Simão Pedro e do discipulo amado para contar-lhes que tinham tirado Jesus do sepulcro e não sabiam onde o puseram. Imagina o desespero deles ao não encontrarem o mestre, mas somente os panos e o sudário.

Maria Madalena permaneceu do lado de fora e chorava, quando escutou uma voz: “Mulher, por que choras? Quem procuras?” (Jo 20,15). Imaginou ela que fosse o jardineiro e perguntou-lhe onde o haviam colocado Jesus para ela ir buscá-lo.

“Então Jesus disse: ‘Maria’” (Jo 20,16). Ele pronuncia o nome daquela mulher. Ela escuta novamente seu nome, só Jesus poderia chamá-la com tanta ternura. A voz de Cristo, que pronuncia nosso nome, é a voz que resgata nossa dignidade. Maria, por sua vez, retoma sua identidade diante de Deus ao pronunciar “Rabonni” (Mestre).

Maria encontrou seu sentido de vida e assim se fez anunciadora da ressurreição, nós também somos chamados a anunciar a cada instante que Jesus vive no meio de nós e, mais do que ser anunciadores, somos chamados a ser testemunhas de que depois que Jesus entrou em nossas vidas, tivemos o mais belo dos encontros que é: ‘’o encontro das nossas imperfeições com o perfeito’’.

 

Por Paulinha Nogueira, membro da Comunidade Recado.

 

Referências

  1. Bíblia sagrada
  2. https://formacao.cancaonova.com/igreja/santos/maria-madalena-encontra-a-si-mesma-ao-encontrar-jesus/