O ballet da vida consagrada

O ballet da vida consagrada

O amor é o responsável pelo movimento da beleza que dança na alma consagrada. A vida do consagrado é bela por si mesma, ressalta aos olhos de quem a contempla, dos que enxergam a beleza daquele que deseja viver a vida de Cristo, dos que dançam com a vida a coreografia do amor. Existem vários passos, várias coreografias de consagração de vida que se tornam profecia para o mundo.

Mas o que está por traz dessa beleza? Quanto custa ser um consagrado?

A bailarina quando dança no palco revela uma beleza cheia de esplendor. Para o expectador que assiste uma peça de ballet e vê o bailar do corpo da bailarina, os passos sincronizados, a linda coreografia que se revela ali, sente um encantamento sem igual.

Mas, quanto custou para chegar ali, como é que ela consegue aquela expressão tão afinada, tão bela?

“Somente a habilidade em encontrar a posição adequada para seus braços produz a finesse da artística expressão do bailarino, e alcança a harmonia completa para a sua dança.”[1]

Para se tornar uma bailarina leva tempo, requer ensaio, esforço e dedicação. Para ser expressão de beleza no mundo, nos palcos da vida, são necessários vários ensaios até encontrar em si a habilidade, a posição adequada para os braços e a leveza do corpo.

Existe uma determinada posição no ballet, que a bailarina para dançar chega a provocar o deslocamento do ombro várias vezes. Mas ela não se fixa na dor, no esforço, e põe seu olhar na beleza que vai expressar.O Lago dos Cisnes, o mais clássico de todos os balés, destaca a própria essência do trabalho do bailarino: sacrifício escondido por trás da beleza expressada na dança.

Dor na ponta dos pés, que às vezes pode chegar a sangrar, deslocamento do ombro, muito esforço e ensaio, muita vida dedicada, e muita vontade de ser expressão do belo. Depois de vários ensaios, a bailarina sobe no palco e revela toda a beleza que atrai os olhares pelo encantamento que a harmonia e a suavidade da dança trazem. Muitos não sabem o que se passou até chegar ali, naquela forma bela de sincronismo do corpo e dos membros, mas isso não é o essencial. Para quem dança e para quem contempla a dança, o mais importante é a beleza, a expressão artística, o amor dedicado em cada ensaio, em cada passo.

A consagração de vida é como uma bailarina que se entrega a sua arte. Sangue, suor e lágrimas estão sempre por trás de cada esforço para ser melhor, de cada ensaio de vida, em cada força para se adquirir a habilidade necessária, em cada despojamento e doação. O ballet do consagrado se revela na beleza da sublime expressão de um ser que dança os passos do amor na sua vida consagrada.

Por Kilvânia Bezerra Gomes Martins.



[1]AgrippinaVaganova, Princípios básicos do ballet clássico, p. 60.