Nossa dança é anúncio da Misericórdia de Deus para o mundo!

Nossa dança é anúncio da Misericórdia de Deus para o mundo!

Estamos vivendo o Ano Jubilar da Misericórdia e, por meio de tantas reflexões, vivemos a graça de perceber nas pequenas coisas a manifestação da misericórdia de Deus em nossas vidas. Mas o que nós, ministros de dança, temos a ver com a misericórdia de Deus? Será que vivemos essa misericórdia apenas no sentido geral? Será que essa pessoa da misericórdia não envolve também o nosso ministério?

A primeira reflexão que devemos fazer é: eu só sou ministro de dança em alguns momentos ou eu sou ministro de dança sempre? Essa pergunta é importante porque nos faz refletir a forma como vivemos o nosso dom. Utilizamos o nosso corpo, templo do Espírito Santo, para evangelizar, mas, nos outros momentos, como fica esse templo? Se somos levados por qualquer outro ritmo que não edifica nossa alma ou se não cuidamos do nosso instrumento e dom, não somos ministros em nenhum momento, nem quando servimos. Pode parecer um pouco radical, mas é necessário pensar nisso, é necessário levar a sério o talento que Deus nos deu.

Entendendo que precisamos ser ministros onde quer que estejamos, percebemos que esse ministério está conosco em todos os lugares, ou seja, ele faz parte de nós. Utilizamos nosso instrumento de evangelização em todos os lugares também e precisamos cuidar bem dele, para que, por meio dele sirvamos ao Senhor.

Ministério é algo muito sério para a Igreja, pois através do seu exercício muitas pessoas são salvas. Vai nos dizer o documento 62 da CNBB: “Ministério é, antes de tudo, um carisma, ou seja, um dom do Alto, do Pai, pelo Filho, no Espírito, que torna seu portador apto a desempenhar determinadas atividades, serviços e ministérios em ordem à salvação”.

A samaritana, quando encontra com Jesus, não é apenas uma mulher que está retirando água do poço, mas é alguém que vive uma vida de pecado. Tais pecados não são visíveis para muitos passantes que não a conheciam, mas foram visíveis para Jesus. A samaritana olhou com indiferença para Jesus, sem saber quem Ele era, mas Jesus olhou certo de quem ela era, e, ainda assim, amou-a profundamente. Reconhecendo Jesus, o olhar daquela mulher mudou e, naquele momento, ela não foi mais a mesma. Ela saiu ao encontro de todos anunciando o Senhor.

Somos tão diferentes da samaritana quando utilizamos nosso corpo para dançar outros gêneros musicais que não levam a Deus? Destoamos do comportamento daquela mulher quando não cuidamos de nossa saúde? Muitas vezes, a forma como vivemos não é visível a todos, mas Jesus nos vê em nossa profundidade. Ele olha para nós e nos ama independente de nossas faltas e pecados. Ele olha para nós ministros de dança, vê o dom que Dele recebemos e se enche de misericórdia.

Que nós possamos buscar viver esse mesmo encontro de Jesus com a samaritana em nossas vidas. Que possamos deixar Jesus, assim como fez com ela, mostrar quais os pecados, visíveis e invisíveis, que têm atrapalhado nosso ministério, nosso ser ministro de dança. Que possamos voltar o nosso olhar para Jesus, percebendo a profundidade de seu amor por nós e deixando-nos curar por Ele para que, assim como fez aquela mulher, possamos nós também anunciar a todos o Senhor que nos olhou nos olhos. Nossa dança é anúncio da misericórdia de Deus para o mundo! Não calemos em nós esse dom e aprendamos com Ele a melhor forma de utilizá-lo.

 

Referências:

- Jo 4, 1-30.

- Documento 62 da CNBB.

 

Por Cláudia Pessoa, membro da Comunidade Recado.

 

CLIQUE AQUI para saber o que é possível fazer pela arte católica no Brasil.