Ministro de dança apenas anima louvor?

Ministro de dança apenas anima louvor?

É comum, em paróquias e grupos diversos, a presença do ministério (ou grupo) de dança nas animações dos momentos de louvor. O “ministro” de dança ensina a coreografia e as demais pessoas reproduzem os passos feitos. Outro tipo comum de atuação da dança é em espetáculos. No entanto, o ministério de dança e o ser ministro(a) de dança não se resume apenas a isso.

A dança existe desde o início da civilização como uma forma de manifestação biológica dos seres humanos. Dessa forma, entende-se que a dança faz parte da composição humana, ainda que sua manifestação se dê de formas diferentes em cada cultura. Também é perceptível que algumas pessoas possuem mais desenvoltura que outras ao executarem movimentos ritmados.

O termo ministério possui sua etimologia ligada ao ato de servir aos outros. Sendo assim, é possível compreender que o ministro de dança é aquele que se coloca a serviço dos outros por meio de seu dom de dançar. Não é apenas reproduzir passos para que outros copiem. Não é estar em um palco fazendo uma apresentação. É estar à disposição de Deus, agindo pelo Espírito Santo e servindo aos outros.

Ser um ministro de dança é ensinar (ministrar) para que as pessoas consigam expressar o louvor, a oração, por meio de seus corpos, os quais são templo e morada de Deus. Tantas são as coisas que passam por meio do corpo. O quanto dizemos por meio de gestos. Quanto a expressão é perceptível dentro do que acontece interiormente... E o ministro de dança tem a missão de canalizar todas essas coisas para Deus. O ministro de dança, por meio de seu serviço, auxilia na santificação do corpo daqueles que são alcançados por esse ministério.

Um dançarino qualquer é capaz de exprimir gestos bonitos e encantar as pessoas, também é capaz de ensinar coreografias para que outros acompanhem. Mas esse tipo de dança não leva, necessariamente, à santificação do corpo, não leva ao encontro com Deus. Já o ministro de dança, por meio de seu dom, pode ser instrumento nas mãos de Deus.

Alexander Sacharoff, um dos primeiros dançarinos do século XX, afirma que “nós não dançamos com música ou acompanhados por música; nós dançamos a música. Isto quer dizer que realizamos a música de maneira visual, expressando por meio de movimentos aquilo que o compositor criou por meio de sons”. Da mesma forma, por meio do serviço ministerial da dança, o ministro tem a capacidade de dançar a intercessão, a cura, o louvor etc. Ou seja, além da técnica, a intimidade com Deus faz com que se constitua um autêntico ministro de dança capaz de tocar os corações.

O ministro de dança não anima louvor, mas louva e leva outros a louvar. A Igreja precisa do comprometimentos dos ministros de dança com Deus e com os outros. Portanto, o dom conferido aos participantes desse rico ministério deve ser usado em favor de toda a Igreja!

 

Por Cláudia Pessoa – Membro da Comunidade Recado.

 

REFERÊNCIAS

ELMERICH, Luis. História da dança. 4. ed. rev. e ampl. São Paulo: Editora Nacional, 1987. 359 p.

KOLLING, Ir. Miria T. A dança litúrgica. A12. 3 fev. 2015. Disponível em:. Acesso em: 25 fev. 2016.

 

 

CLIQUE AQUI para descobrir porque esse texto não foi feito só para você e como ele pode chegar à sua cidade INTEIRA!