Maria, a cheia de graça.

Maria, a cheia de graça.

                                                                                                     Ave, Cheia de Graça o Senhor é contigo!¹ 

            Estamos diante do episódio da anunciação do anjo Gabriel a uma jovem menina que ainda não entendia tudo sobre as coisas humanas, mas entendia perfeitamente as coisas sobrenaturais. Ela conhecia o Coração de Deus pela sua vivência na busca da oração. Desde o princípio da criação do mundo, Deus já havia sonhado com ela.

            Maria, concebida sem pecado original, já trazia no seu coração o louvor mais puro, sincero e profundo a Deus. É por isso que na noite em que o anjo aparece a ela, ele a chama de “Cheia de Graça”. Isso quer dizer que Maria já possui um coração cheio de gratidão e em sua intimidade reconhece quem é Deus na sua vida, ela é aquela que foi e ainda é agraciada por Deus.

            O momento da anunciação é o primeiro motivo de louvor que Maria, segundo São Lucas, expressa nas sagradas escrituras. Onde ela reconhece a graça de sua concepção sem pecado, porque Deus a fez assim para que ela concebesse o Salvador do mundo. Ela foi o primeiro sacrário vivo que acolheu o pequeno menino. Teu ventre tornou-se um solo sagrado, um lugar onde habitou o Santo dos Santos. Deus a escolheu por sua pureza e humildade, pois ela era uma mulher de oração, tinha uma intimidade profunda com Deus em seu coração.

            Ela expressa o perfeito louvor porque Deus é onipresente, isto quer dizer que Ele sempre foi presente na vida dela. Desde o amor de seus pais, Ana e Joaquim, no momento de sua concepção, Deus acompanhou toda a sua infância, adolescência e juventude. Ele a acolheu em todos os momentos de alegria e de tristeza e esteve junto dela aos pés da Cruz.

            Essa intimidade de Maria com Deus através da oração, já mostrava muitas coisas. Maria era uma mulher inteligente e sábia. Através dos seus pais ela obteve todo o conhecimento das Sagradas Escrituras. Ela sabia que em algum momento o Salvador do mundo chegaria, mas o que ela não sabia é que seria a escolhida de Deus para essa missão, ela era humana.

            Gabriel diz na passagem do Evangelho de São Lucas que ela daria a luz a um filho e colocaria o nome no menino de Jesus, e isso viria a se realizar através do Espírito Santo. Percebemos aqui que a Virgem Maria tem também uma amizade profunda com a Santíssima Trindade. Com Deus que a escolheu e criou, com o Espírito Santo seu divino Esposo e com Jesus, posteriormente, seu filho.

            Percebemos que as mulheres grávidas se tornam mais felizes, mais belas e mais gratas. Maria também se sentiu assim diante de tal escolha de Deus, se sentiu muito grata e louvou a Deus por poder carregar em seu ventre sagrado um ente santo, puro e pequenino.

            Peçamos a Maria que venha nos ensinar a render glória e louvores a Deus porque o mesmo já colocou em nosso coração o sentimento de gratidão, de alegria. Assim, como Ela, nós também somos cheios da graça de Deus.

 

Por Rafaela Cassimiro membro da Comunidade Recado.

 

Referências

  1. Lc 1, 28, Bíblia Ave-Maria.