Jejue e seja feliz: A alegria é um dos frutos que o jejum pode me proporcionar!

Jejue e seja feliz: A alegria é um dos frutos que o jejum pode me proporcionar!

A princípio, quando nos referimos ao jejum, nos remetemos a vários significados atrelados à tristeza: sofrimento, dificuldade, algo sombrio e até em alguns casos, impossível de ser praticado.

A profundidade e a vivência sadia e equilibrada do jejum vem contrariar o conceito superficial e negativo que podemos ter sobre essa prática.

Para se começar um bom jejum é obrigatório estar seguro das suas condições de saúde tanto corporal quanto psicológica.

A saúde psíquica diz respeito ao fato de que o jejum não se trata de uma autopunição, ou de uma briga consigo mesmo: é necessário estar reconciliado com a própria condição humana, para que esta prática possa chegar ao próprio Deus e não fique restrita numa mesquinhez consigo mesmo.

O que pouco refletimos é que uma das consequências do jejum é a alegria. Sim! A felicidade de encontrar-se com Deus, de focar nosso olhar no Amado, em meio à tantas distrações que nos roubam de nosso foco principal. Essa alegria resplandeceu no rosto de Moisés após quarenta dias de jejum (cf. Ex 34, 29), como ressalta o autor Anselm Grün.1

Essa prática deve ser canal e não finalidade. Jamais deve ser o sofrimento e a dificuldade, o fim, mas sim, o encontro pessoal com Deus que ele pode nos trazer.

Em Mateus 6, 17 temos o trecho: “Quando você jejuar perfuma a tua cabeça e lava o rosto”. É um convite para reconhecermos nossas amarguras interiores e assim as contrariarmos com uma atitude exterior oposta. O que para alguns pode ser rotulado erroneamente como falsidade é a graça de Deus e um exercício para que em nosso dia a dia a murmuração possa estar bem longe de nosso coração.

O trecho citado anteriormente continua com: “Para que os homens não vejam que você está jejuando, mas somente seu Pai, que vê o escondido; e seu Pai que vê o escondido, recompensará você” (Mt 6, 18). Arrisco-me a dizer que o presente recebido por nós com a prática do Jejum é um coração alegre, contrito e grato em reconhecer o quanto recebemos de Deus, e quanto não reconhecemos em nosso dia a dia, em meio às inúmeras distrações que nos fazem esquecer que, de fato, estamos constantemente nos braços amorosos de Deus!

Para nós Cristãos, além do sentido penitencial, a prática do jejum é um sinal de feliz expectativa, do constante preparar-se para o Esposo que vem chegando! Assim como na Parábola das Virgens Prudentes e Imprudentes, nossos corações precisam manter viva a chama da vigilância na espera Daquele que vem para nos levar para as alegrias eternas. Por isso o jejum apresenta antes de tudo um sentido de alegria, porque me predispõe a alma para o encontro com Deus e não existe nada mais maravilhoso, feliz e realizador do que encontrar-se com Aquele que nos ama! Cada dia de jejum é um dia de encontro com Deus, nosso Amado e, portanto, um dia plenamente feliz, que me impulsiona a recomeçar, me impele ao louvor e à sincera gratidão! Por isso ao jejuar, não devo transparecer tristeza, cansaço, mau humor, mas devo me perfumar, me vestir bem e me alegrar porque é Deus quem eu espero e Ele está pra chegar!

Nossa alma tem tanta sede e tanta fome de Deus que no jejum nós deixamos de lado o alimento que nos é lícito e vital para estarmos mais atentamente voltados a Deus e à Sua Palavra!

O Tempo do Advento nos convida a tomar esta postura atenta de vigilância e o jejum é uma das práticas mais oportunas para esse tempo! Principalmente porque nos convida ao equilíbrio, ao autodomínio e nos prepara para as alegrias do Natal do Senhor, fazendo-me vigiar em relação a tantos exageros que se vivem nas festas de final de ano, onde imperam os gastos altos, os desperdícios, a gula e os prazeres desnecessários que só nos desviam do verdadeiro espírito do Natal do Senhor!

Advento é preparação, então prepare-se! Purifique-se dos exageros! Jejue e seja feliz!



1. GRÜN, Anselm. “Jejuar: corpo e alma em oração”. 4ª Edição. São Paulo. Paulinas. 2013. Coleção Viver Melhor.

Por Mabel Zattera - Membro da Comunidade Recado.

Você acha que está faltando mais formação para os artistas católicos? Então CLIQUE AQUI e temos uma solução para te apresentar.