Ensina-me o Amor - Uma homenagem à Nossa Senhora Rainha

Ensina-me o Amor - Uma homenagem à Nossa Senhora Rainha

Ensina-me, Mãe, o teu amor... teu amor puro, santo, imaculado, doce, sereno, delicado...

Ensina-me, Mãe, esse amor sem limites, que não encontra barreiras para amar.

O mesmo amor que a inflamou na Anunciação, e do qual nasceu o fiat mais sublime e fiel já professado por boca humana.

Ensina-me o mesmo amor abrasador que a impulsionou ao serviço, o amor sensível que percebe a necessidade dos corações; o mesmo amor que a levou para a casa de Isabel, não só para o auxílio cotidiano, mas primeiramente para ser anunciadora e testemunha da Paz que habitava em seu Ventre Imaculado.

Ensina-me um amor humilde, que acolhe a voz de Deus e não se engrandece, mas dilata-se para amar ainda mais. Oh! Mãe, ensina-me o amor perfeito a Deus... o amor que O reconhece como Autor de todas as virtudes e graças que me alcançam, que testemunha Suas maravilhas. Ensina-me o amor... amor que, gerado em mim, não cabe em meu peito e transborda ao mundo.

Ensina-me o amor obediente, que continua fiel mesmo diante das adversidades.

Ensina-me, Mãe, o amor-doação, que cuida e zela por aqueles que o Amor por excelência me confiou, o mesmo amor com que você amou o Amor Encarnado durante toda Sua vida. Um amor que acolheu, gerou e educou, que doou tudo de si.

Ensina-me um amor que intercede, que se permite sofrer a dor do outro, acolher seu fardo, dividir o sofrimento e, assim, tocar o Coração de Deus em favor da humanidade.

Ensina-me a ter um amor acolhedor, que ouve a voz de Deus, que a permite reverberar, ecoar no coração, para assim transbordá-la em cada gesto, por toda a vida.

Ensina-me, educa-me para o amor, para que também eu chegue um dia a acolher, sem amargura, o amor que nos arranca lágrimas de sangue...

Educa-me, Mãe, para o amor que confia inteiramente nos desígnios de Deus. O mesmo amor que a inflamou na flagelação, no calvário de seu Filho, na crucificação do Amor.

Ensina-me, Mãe, a acolher a dor com confiança, na certeza de que Deus É e sabe o que faz.

Ensina-me, Mãe, a contemplar a dor no olhar do outro e continuar em pé, sendo sustento, consolo. Ensina-me, Mãe, o mesmo amor que você teve ao acolher aquele que não era o seu filho, mas representava toda a humanidade.

Ensina-me um amor não possessivo, o mesmo que permitiu que Aquele que foi gerado em seu ventre se sacrificasse por Amor, mesmo que seu Coração de Mãe estivesse transpassado pela dor.

Ensina-me, Mãe, um amor que permanece. Em todas as ocasiões, em todas as adversidades, diante de todas as ausências. Permanece porque se abandonou no Amor e reconhece que o Verbo Eterno é fiel.

Ensina-me, Mãe, a também permanecer, e, em cada passo, testemunhar, assim como você, que o único caminho para onde o amor conduz é a alegria. Alegria pela certeza da Eternidade, construída, gerada e alicerçada em cada fiat disposto a Deus, em cada lágrima, em cada dor acolhida por amor.

Ensina-me, Mãe, a amar com aquele mesmo Amor encarnado em seu ventre.

Ensina-me o Amor...

 

Por Thiana Tomaz, Membro da Comunidade Recado.