Ensaiar? Para quê?

Ensaiar? Para quê?

"O ensaio é o momento onde trabalhamos e aperfeiçoamos nosso “talento artístico”.

Gostaria de partilhar com vocês algumas experiências que tenho com algo muito importante, valioso, santificante e, ao mesmo tempo muito delicado, que é o que chamamos de Ensaio do Ministério de Música (MM). Experiências conquistadas através de erros e de vitórias. Para alguns, ensaio é momento de graça, uma grande alegria, parte do chamado. Já para outros, é uma tortura, é maçante, desnecessário ou até perca de tempo.

Quem de nós já não ouviu as seguintes frases:

- "Ensaiar para quê? Não temos nenhum compromisso agendado.”.

    (acho que esse não terá um compromisso logo mesmo...)

- “Estou muito cansado, e hoje tem jogo do meu time...”.

    (esse só vai assistir, pois nunca vi um músico muito bom no futebol... torcidas à parte...).

- “Ensaiar? Mas, para quê? Se é pra tocar só na missa!

    (a música nessa missa será beleza ou desespero? Você decide...)

- “Mas acho que não precisamos ensaiar, pois já temos unção.”.

- “Para que ensaiar? Na hora sempre sai melhor mesmo; no improviso arrasamos...”.

   (é um adepto da lei NHS – Na Hora Sai – realmente algo deve sair mesmo. Sai o povo correndo do lugar...).

Brincadeiras à parte, essa é uma triste realidade que já presenciamos muito. Não é? São desculpas e justificativas que estão ligadas às tentações que o ministro de música passa, não somente uma vez, mas sempre. É uma realidade da falta de compreensão da importância de seu ministério, que só tende a piorar quando se alia ao orgulho e ao comodismo. Mas também temos muitas pessoas responsáveis com seu ministério e seu dom, que entenderam, a partir de sua experiência profunda com Jesus ressuscitado, o seu papel na Igreja e no mistério da salvação. Louvado seja Deus por isso!

O Papa João Paulo II disse na sua Carta aos Artistas;

“O mundo em que vivemos tem necessidade de beleza para não cair no desespero.” “O artista vive numa relação peculiar com a beleza. Pode-se dizer, com profunda verdade, que a beleza é a vocação a que o Criador o chamou com o dom do talento artístico”.

Seu ministério tem sido portador da beleza ou do desespero?

Esse é o apelo do Papa para nós, pois mostrando essa “beleza”, a humanidade penetra no “mistério de Deus” e no “mistério do homem”. Ou seja, o homem se encontra com Deus e com ele mesmo. O ensaio é o momento no qual trabalhamos e aperfeiçoamos nosso “talento artístico”.

Uma vez vi um ministério em que os músicos eram tecnicamente muito bons, porém, por se acharem bons, não tinham praticamente ensaio nenhum. Quando eles estavam tocando no grupo de oração, individualmente faziam coisas maravilhosas, mas quando você analisava o todo, era um total desencontro. Aí um deles me perguntou no final se tinha achado bom. Eu disse com toda caridade, que eles tocavam muito bem, mas que seria muito mais bonito e eficaz se estivessem tocando a mesma música.

No ensaio trabalhamos como “artífices” na obra que nos foi confiada, com sensibilidade e carinho a deixamos cada vez mais bela, a olhamos, contemplamos, aparamos arestas e temos com ela o mesmo carinho que Deus tem conosco, aí nossa arte se torna profecia.

“A beleza, que transmitireis às gerações futuras, seja tal que avive nelas o assombro. Diante da sacralidade da vida e do ser humano, diante das maravilhas do universo...” (Papa João Paulo II). É exatamente por isso que, mesmo sem ter um compromisso, show, agendado para o seu MM, o ensaio se torna fundamental. Porque se torna momento de trabalhar na obra que iremos transmitir não só para o povo desse tempo, mas também para as gerações futuras. Uma obra bem feita, bem construída, com boa estrutura, permanece no tempo atual e sempre revelará algo.

O ensaio também é momento de resposta ao chamado de amor, de aprender a misericórdia, de curar motivações, superar limitações... Torna-se santificador e santificante. Seu ministério não foi feito só para você, mas para servir. Ensaio também é estar a serviço, a serviço do todo, a serviço da manifestação dessa beleza. Esse deve ser nosso diferencial. O ensaio no seu MM é ato de amor a Deus, aos irmãos e também se torna ato de fé. Como ato de fé, remete-nos ao exercício da inteligência e obediência que, unida à esperança, torna-se “fé confiante”. Tenhamos zelo por nosso ensaio e oremos com as palavras do Papa para que possamos fazer parte do Mistério da Salvação, profetizando sobre o céu através dessa beleza que salva.

“Que as vossas múltiplas sendas, artistas do mundo, possam conduzir todas àquele Oceano infinito de beleza, onde o assombro se converte em admiração, inebriamento, alegria inexprimível.” (Papa João Paulo II).

 

Por: Carlos Tozadore - Membro da Comunidade Recado

 

CLIQUE AQUI para saber o que é possível fazer pela arte católica no Brasil.