Dicas de como ministrar o louvor no Grupo de Oração – Parte 6: A prática de se conduzir o louvor.

Dicas de como ministrar o louvor no Grupo de Oração – Parte 6: A prática de se conduzir o louvor.

Vejamos mais algumas dicas que certamente nos ajudarão a conduzir o louvor no grupo de oração em um momento de oração em comum.

A assembleia será o espelho do ministro de louvor. Por exemplo: se ele está ministrando uma música alegre e quer que o povo se alegre, ele assim precisa estar. Tudo o que você quiser que as pessoas façam, você deverá fazer “exageradamente”, ou seja, de modo visível, perceptível, externado e não só dentro de seu coração.

Na ministração, o nosso corpo inteiro precisa falar. Se eu quero conduzir o povo à alegria, todo meu corpo precisa transmitir essa mensagem de alegria, logo, não posso ficar estático, com a “cara fechada” e achar que vou levar o povo ao entusiasmo simplesmente pela força do meu grito. É preciso sorrir e deixar que todo o seu ser transmita esse contentamento, porque o corpo inteiro precisa falar a linguagem da alegria. O olhar, o semblante, a entonação da voz, o corpo, a respiração, a transpiração têm que manifestar aquilo que o ministro quer expressar, caso contrário, a assembleia não o acompanhará.

Os bons jornalistas, principalmente âncoras – os apresentadores – são uma escola para o ministro de louvor, pois, em poucos minutos, precisam dar notícias que contêm diferentes teores sentimentais: ora trágicas, ora alegres e, para tanto, usam não somente a voz, mas sua entonação, fisionomia, olhar, corpo e, assim, convencem os telespectadores.

Um pequeno gesto, feito na hora certa, de forma exata, pode levantar uma assembleia para o louvor, pode calar toda a euforia, pode batizar as pessoas no Espírito Santo. Isso é carisma! Foge de toda lógica humana.

Nós, ministros de louvor, precisamos estar abertos a essas inspirações do Espírito Santo, a essas intervenções divinas, porque são elas que farão a diferença em nosso ministério e total diferença na vida das pessoas que está nos acompanhando.

Podemos identificar alguns erros que acontecem nas ministrações de louvor. Dentre eles, um erro muito atual, consequente do contexto em que vivemos do fácil e intenso acesso a todas as mídias – TV, rádio, internet: é muito comum encontrarmos pessoas copiando e imitando outras pessoas no seu dom de ministrar a música. Não raramente se ouve: “Nossa! Ele faz igualzinho a ‘Fulano’!”. Uma coisa é você admirar o dom de um ministro de louvor, outra é você copiá-lo! Principalmente para nós, que temos um ministério movido pelo Espírito Santo, precisamos compreender que Ele não precisa de dicas ou de ideias, e nós não podemos atrapalhá-Lo! Temos que ser dóceis, abertos, obedientes e solícitos a Ele, para que faça o que quiser, como e quando desejar.

Outro ponto muito importante é a preparação antecipada. Prepare-se, escolha cantos com antecedência, ensaie-os, mas não se deixe engessar.

É correto nos prepararmos com ensaios em oração, com a escolha antecipada de músicas para os encontros e grupos de oração. Porém, isso passa a ser errado quando nos tornamos “escravos da lista de músicas”. Nós nos preparamos conforme os temas que estão programados, mas é o Espírito Santo quem vai nos dar a música certa para cada ocasião, assembleia, pregação ou momento de oração.

Mais um aspecto que quero salientar é a necessidade de se dar atenção a todos. Em uma ministração, corremos o risco de sempre dar maior atenção às pessoas que ocupam as primeiras fileiras; geralmente essas pessoas já estão ali justamente porque querem participar, estão abertas, cantam, correspondem facilmente às motivações, e acabamos por não dar a devida atenção aos que estão atrás, que geralmente são aqueles que, às vezes, nem gostariam de estar ali, ou não estão tão dispostos a participar e se entregar naquele exato momento. Contudo, essas pessoas são justamente as ovelhas que Deus quer que o ministro de louvor traga para perto d’Ele. E é nessa oportunidade que Deus vai usar o seu ministro ungido para arrebanhar, para abrir, dilatar os corações. São essas as ovelhas às quais devo me dedicar ainda mais.

Creio que essas dicas importantes devem contribuir para uma condução eficaz nos momentos de louvor e orações comunitárias em nossos grupos de oração, reuniões e eventos.

Por Luiz Carvalho – Fundador e Moderador da Comunidade Recado.

Fonte: TOZADORE, H.; CARVALHO, L. A Arte de Louvar. p. 79-81. 2016

CLIQUE AQUI para saber o que é possível fazer pela arte católica no Brasil.