Dentro de mim existe uma bela e uma fera.

Dentro de mim existe uma bela e uma fera.

O conto “A bela e a fera” nos revela que a aparência exterior desfigurada não significa que a pessoa é feia, pode sim nos mostrar que podemos encontrar no interior dessas pessoas coisas lindas. Assim, as feras tornam-se pessoas bonitas. Até porque a bela se apaixona por aquilo de lindo que ela viu dentro da fera.


Dentro do nosso coração também existe uma bela e uma fera que lutam constantemente no nosso interior. Por mais que desejemos sermos pessoas melhores a cada dia, reconhecemos que não somos perfeitos.


Carregamos dentro de nós muita bagagem que fomos colhendo no caminhar da vida. São riquezas que adquirimos na família, na escola e na sociedade. Acolhemos muitos exemplos, virtudes e valores. Mas, também trazemos nossas fraquezas, misérias e decepções que em alguns momentos se afloram, se agitam. Se eu cuido delas, elas se amansam, mas não desaparecem porque fazem parte de nós e nos fazem lembrar que não somos melhor que ninguém.


Se olharmos para o nosso grande coração e suas lindas flores, ali dentro está a bela com sua beleza transparente. Quando a alimentamos, as virtudes ricas afloram dentro dela. Tornando-nos pessoas generosas, amorosas, humildes, alegres, sinceros e com tantas outras belezas que fazem do nosso mundo um lugar lindo. E a fera, às vezes se acalma, outras vezes põe suas garras para fora.


Para vencer essa luta interior não podemos esmagar a fera, nem matá-la, é preciso colocar rédeas nela, domá-la. Ela não pode tomar conta do nosso coração, porque ela pode mostrar a nossa podridão. Se deixarmos ela solta, ela grita para o mundo o nosso ódio, a nossa raiva, a nossa vingança, a nossa inveja, a nossa sensualidade, o nosso negativismo e tantos outros vícios. Existem lugares, pessoas e situações que podem despertar a fera que está dentro de nós, por isso devemos decidir com quem andamos,os lugares que frequentamos e o que trazemos conosco.


Amansar o nosso interior nem sempre é fácil, mas é uma decisão só nossa. Se decidirmos cultivar o amor próprio, o mundo ao nosso redor torna-se tão vasto e bonito e a nossa fera fica no seu devido lugar. A luta interior acontece todos os dias e será assim até o fim da nossa vida, por isso devemos ter zelo com tudo àquilo que entra e sai de dentro do nosso coração. É necessário buscar as virtudes, largar os vícios, e, sobretudo, nunca desistir do amor. A bela e a fera sempre existirão dentro de nós, mas somos nós que somos responsáveis por lhes dar alimento, somos nós que comandamos os nossos sentimentos. A questão é: “Quem nós estamos alimentando?”.


Por Rafaela Cassimiro membro da Comunidade Recado.


Referência


Livro Repensando a Vida Pe. Roger Araújo.