COORDENADOR GROSSEIRO(A). COMO LIDAR COM ISSO?

COORDENADOR GROSSEIRO(A). COMO LIDAR COM ISSO?

COORDENADOR GROSSEIRO(A). COMO LIDAR COM ISSO?

Infelizmente o caso de alguém ter que lidar com algum coordenador grosseiro em sua comunidade ou grupo de oração não acontece raramente. Desde já é importante dizer que a autoridade cristã não representa uma licença para que sejamos grosseiros uns para com os outros. A caridade fraterna implica como base e fundamentos atitudes de cordialidade e educação como sinal do respeito para com a dignidade humana.

Tendo em vista tudo isso é preciso tratarmos de como vamos lidar com isso. No caso de a grosseria do coordenador ser um caso isolado é preciso saber relevar isso. Nossos irmãos, inclusive as autoridades, são pessoas que apresentam fragilidades e defeitos que existem em paralelo com a graça de Deus. É um mistério, mas tal mistério nos ajuda a vivermos uma caridade na prática e que não espera irmãos perfeitos para se autorizar a lançar-se. Quando conseguimos superar os piores momentos do irmão e perdoá-lo e amá-lo, então temos um referencial adequado para poder chamar essa atitude de amor cristão.

Um outro caso é quando o coordenador é, reiteradas vezes, grosseiro com você ou com os outros. Aí, além do perdão cristão, é importante exercer a correção fraterna para com o irmão coordenador em dificuldades. Primeiramente, é importante que você esteja o mais tranquilo possível para esse momento. Evite ter essa conversa de cabeça quente ou no calor do momento. Dependendo do caso, essa pode ser uma conversa difícil e é importante que você não esteja dominado por sentimentos inflamados. Outro ponto é que você procure ter essa conversa a sós com o seu coordenador em um primeiro momento. Caso a conversa não surja efeito aí podemos apelar para a autoridade imediata desse coordenador ou chamar outros irmãos que possam ajudar.

Por fim, é importante frisar que a grosseria não pode ser confundida com firmeza. Em algumas exortações a autoridade precisa ser firme mesmo, até que ela esteja enganada nesse caso. Precisamos estar atentos para que a unidade não seja perdida nesses momentos, mesmo que a custo de algum sofrimento nosso. O diálogo é o mais importante. Não pode ser sacrificado em nome de uma aparente razão no conflito.

 

Por Leonardo Falconeri, Compromissado Recado.