Como posso cuidar das minhas autoridades?

Como posso cuidar das minhas autoridades?

A autoridade é a pessoa eleita por Deus para pastorear seu rebanho. Ela tem o poder de liderar e influenciar suas ovelhas na vivência e experiência com o Amor de Jesus. Como também é o exemplo do seguimento de Cristo assumindo para si mesma a morte pessoal que Jesus acolheu na Cruz, morrendo por nossas misérias para nos trazer a salvação.

Ser autoridade é muitas vezes se sacrificar pela salvação das almas. É sofrer, chorar, se desdobrar para que outros tenham vida, e vida em abundância. Mas, por outro lado é também compartilhar alegrias, conquistas e vitórias, e todos juntos glorificando a Deus por tudo que Ele é e faz.

Em alguns momentos, a autoridade vivenciará momentos de cansaço, de dor e solidão. E vem o questionamento: “Como cuidar delas”? O que posso fazer”? Em primeiro lugar, acolhamos essa autoridade, porque ela também tem um coração, tem sentimentos. Mas, acolhamos com amor, compaixão e misericórdia. A melhor forma de ajudar é rezando pela vida dela, colocando-a no Coração de Jesus.

Podemos cuidar delas também ouvindo o seu coração, as suas dores e angústia. E nos momentos de alegria, nos alegrarmos com ela com toda a sinceridade do nosso coração. Autoridade é gente e também necessita ser ouvida, escutada. Necessita muitas vezes de um ombro que enxugue suas lágrimas, de mãos que toquem as dores em seu coração, de olhares compassivos que salvem sua alma.

Outra forma de cuidado é convidando-a para conviver em um momento de lazer, como forma de distração, de tirar o foco dela das preocupações, dos problemas que ela vem enfrentando, das suas vivências pessoais.

Jesus, como autoridade, enquanto seguia no caminho do calvário para ser crucificado, e o fez por amor a cada um de nós, vivenciou em alguns momentos esse cuidado de suas ovelhas pelo seu ser autoridade. Maria, sua mãe, permaneceu de pé com Ele, durante todo esse caminho. Seu olhar de mãe o sustentou, o salvou, o fazia lembrar de que deveria cumprir sua missão. Verônica, enxugou o seu rosto e nesse pequeno gesto fortaleceu Jesus nesse caminho de dor. E por fim, Simão o Cireneu, ajudou o Senhor a carregar a Cruz, os fardos e em uma simples troca de olhar, revelou a Jesus que valeria a pena morrer pela salvação de toda a humanidade.

Peçamos ao Senhor a graça de hoje sermos os “cireneus”, as “verônicas” e a seguir o exemplo de Nossa Senhora, para sermos sustento e suporte na vida dos nossos irmãos que são nossas autoridades, seja em um ministério, paróquia ou comunidade.

 

Por Rafaela Cassimiro, membro da Comunidade Recado.

 

Referência

1. https://www.bibliacatolica.com.br/biblia-ave-maria/sao-mateus/27/