Artista bom é aquele que se autoconhece!

Artista bom é aquele que se autoconhece!

AUTOCONHECIMENTO: estrada certa para o amadurecimento.

Essa expressão autoconhecimento em um primeiro momento pode parecer estranha, pois quem pode te conhecer melhor, que você mesmo? Só quem sente onde o calo aperta no sapato é você ou não é?

Dizendo de outra forma, conhecer a si mesmo. Você se conhece? Sabe quais são os seus limites? Quais são os seus pontos fortes? Quais são suas maiores qualidades? Sabe qual é a sua maior fraqueza? E o mais importante você sabe o que fazer com todas essas informações?

Vejamos, o dicionário online descreve que Autoconhecimento é “Conhecimento de si próprio, das suas características, qualidades, imperfeições, sentimentos etc.; que caracterizam o indivíduo por si próprio. Então me pergunto por que é tão difícil chegar a esse conhecimento de si próprio. Talvez em algum momento da sua vida você já deva ter ouvido falar que não se pode amar aquilo que não se conhece, ou só se ama aquilo que se conhece, então quando falamos em autoconhecimento também estamos falando da relação e da imagem que você tem de si mesmo. E essa imagem em alguns momentos pode ser positiva e amorosa, mas em outros também pode ser difícil e dolorosa, desencontrada.

Jesus nos deu o maior exemplo de autoconhecimento e vivência dos seus afetos, prescrevendo uma formula imbatível para todos os homens e apresentando-a como segundo mandamento: “Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Outro mandamento maior do que estes não existe.” (Marcos 12, 31). Entendemos, como vai nos dizer Santo Agostinho, que “Só se ama aquilo que se conhece”, portanto nos é necessário conhecer e descobrir a verdade em nós para podermos nos aceitar, aceitar o próximo e amar. 

Conhecer-se para amar a si e ao próximo é um desafio interessante para nós artistas que estamos em convivência no dia a dia do nosso ministério com pessoas de diferentes personalidades, pensamentos e jeitos, perspectivas diferentes, olhares diferentes e temos que aprender a lidar, a respeitar e equilibrar tudo isso e, principalmente, saber como eu me comporto diante das diferenças e ainda, se eu consigo lidar e aceitar os meus próprios limites e fraquezas e ter consciência de que o outro não é obrigado a saber o que eu sei e, muito menos, a fazer as coisas como eu faço e, enfim, a me amar e amá-lo, mesmo nas diferenças.

O autoconhecimento não é um fim em si mesmo, mas uma ferramenta que nos ajuda a sermos pessoas melhores, uma estrada que por vezes nos oferece alguns obstáculos como: o medo, a dor, o incomodo, porém se você persiste nessa estrada chegará à alegria do amadurecimento e crescimento humano, que também pode e deve favorecer o crescimento espiritual, ajudando também a melhorar as suas relações interpessoais, tornando-se um artista melhor.

Para sermos concretos, um bom caminho que você pode trilhar nessa busca de amadurecimento é a psicoterapia, com a ajuda de um bom profissional você terá a oportunidade de se olhar e analisar e  depois decidir o que fazer com as informações retiradas desse processo, porém um caminho mais que certo e indispensável para nós artistas cristãos é a oração, pois nela temos a oportunidade de encontrar Aquele que tudo sabe e tudo vê e tudo pode fazer. Temos a oportunidade de olhar para dentro de si e visitar nossa história, acompanhados por Alguém que nos ama incondicionalmente e não nos julga e é o melhor e maior modelo de vivência do amor que conhecemos: Jesus Cristo. Caminhe com Ele na oração e busque ajuda profissional quando necessário e seu processo de autoconhecimento se desenvolverá com maior tranquilidade e segurança.

Por Taciele C. Lucas - Psicóloga e Membro da Comunidade Recado.

CLIQUE AQUI para saber o que é possível fazer pela arte católica no Brasil.