Arte? Para quê?

Arte? Para quê?

Nesses dias eu estava partilhando com um irmão sobre o que a nossa arte significa pra nós mesmos e o que ela é capaz de realizar nas outras pessoas.

Pois bem, pensando e repensando a arte dentro do contexto católico no mundo atual, eu vejo dois fins importantes para se ressaltar: arte como expressão de louvor e de serviço! É claro que não existem somente esses dois fins, não quero e nem posso esgotar toda a contribuição da arte, mas neste texto quero aprofundar esses dois sentidos.

Essa reflexão nasceu em meu cotidiano artístico por ocasião de um evento do qual eu não participei, mas fui antecipadamente para ornamentar um altar para a adoração ao Santíssimo Sacramento que aconteceria no dia seguinte. Fora justamente ali, em meio aos tecidos, flores, luzes e inspirações que eu pensei: “Meu Deus, eu estou arrumando tudo isso aqui e o principal, que é a adoração, eu irei perder!” Foi aí que imediatamente o Espírito Santo calou no meu coração o seguinte: “Mas a sua arte, por si, já é a sua adoração, sua oração, seu louvor"! Foi então que eu entendi o primeiro ponto que venho ressaltar: a nossa arte é, por si própria, uma expressão viva de louvor!

Não sei se você, artista, reza com a sua arte. Na Comunidade Recado isso é já é mais do que normal! Pois, se uso a arte como uma ponte que leva as pessoas ao encontro de Deus, logicamente ela também me levará ao encontro com o Senhor! Música, poesia, dança, teatro, desenho, tudo nos leva a Deus!

O Catecismo da Igreja Católica, no §2513 traduz de forma excelente essa ideia: “As artes, mas sobretudo a arte sacra, têm em vista, por natureza, exprimir de alguma forma nas obras humanas a beleza infinita de Deus e procuram aumentar seu louvor e sua glória à medida que não tiverem outro propósito senão o de contribuir poderosamente para encaminhar os corações humanos a Deus”.

Nesta mesma situação, Deus me falou ao coração que minha arte, além de ser expressão de louvor, é também um serviço à humanidade, aos meus irmãos na fé. Enquanto eu ornamentava aquele altar, o Senhor me convencia de que, quando eu desempenho minha arte como louvor a Deus, automaticamente, minha expressão artística se torna como que uma ponte que une os corações humanos ao Coração divino, tornando-se, então, um serviço ao próximo!

Segundo o Papa João Paulo II, na Carta aos Artistas, a beleza é a vocação a qual o Criador chamou o homem com o dom do ‘talento artístico’1. Quando Deus chama, Deus capacita com talentos, e, segundo a Parábola dos Talentos (cf. Mt 25,14-30), todo talento deve ser posto para render! Isso nos chama a refletir: “estou fazendo render meu talento?”. Isso nos “adverte... a obrigação de não desperdiçar esse talento, mas de desenvolvê-lo para colocá-lo a serviço do próximo e de toda a humanidade.”2.

Com essa consciência, a partir de agora, façamos da nossa arte louvor e serviço, cumprindo com beleza o mandato do Senhor no Salmo 32: “Com arte sustentai a louvação”.

Foto: Capela ornametada para Adoração na EFAC 2011.


1. Carta do Papa João Paulo II aos Artistas, 03.

2. Idem ao 1.


Por: Felipe Zanotto Reigota - Teólogo e Membro da Comunidade Recado

Qual a forma de fazer as formações católicas chegarem ao Brasil e ao mundo? CLIQUE AQUI e temos uma solução.