Amor: dom que alimenta a vida fraterna.

Amor: dom que alimenta a vida fraterna.

A amizade é um dom de Deus, uma escolha de Deus para nós. Não somos nós que escolhemos os amigos, mas sim Ele. O criador da nossa afetividade nos dá a graça de estreitarmos nossos laços com aqueles que estão ao nosso redor. Basta que nós aprovemos sua escolha e tenhamos o coração aberto para acolher esses amigos.

A vida fraterna é um sinal visível do amor de Deus por nós, onde Ele é o centro das nossas amizades. Amigo é aquele que nos ama como somos, mesmo sendo pequenos e falhos, aquele que nos leva para perto de Deus.

Antes de sermos amigos daqueles que Deus colocou ao nosso lado, em primeiro lugar devemos fazer d’Ele o nosso primeiro e melhor amigo. Quanto mais íntimo formos do amigo Jesus, seremos capazes de criar laços com aqueles que escolhemos deixar permanecer ao nosso lado.

Somos capazes de amar o outro quando temos consciência de que Deus nos amou primeiro. A essência da amizade é o amor, que é gerado através da abertura de coração, da partilha de vida, da oração e, sobretudo dos momentos de lazer em que se convive.

Ser amigo é uma virtude. É desejar o bem do outro. É doação de vida. É viver concretamente o amor que é paciente, bondoso, que suporta, crê e espera, que não guarda ódio e rancor, que não busca os próprios interesses, mas tem um interesse em comum, que é Deus.

Devemos lembrar que ser amigo não é só estar presente nos melhores momentos da vida, mas também nas dificuldades. Estar sempre pronto para sentir compaixão, dar consolo, conforto, ser muitas vezes o ombro, a luz que ilumina na escuridão, é ser um elo entre o amigo e Deus. Caso contrário, se o amigo só estiver nos momentos de festa, é hora de repensar essa amizade.

A vida fraterna, por si só, é um dom e para vivermos é necessário que Deus esteja no centro. Se depender do nosso esforço humano corremos o risco de nos ferirmos e ferirmos o outro. A cada dia ela deve ser alimentada com oração e amor.

São Josemaria descreve como ‘amizade pessoal’, “sacrificada, sincera, de tu a tu, de coração a coração”. (Sulco, n. 191).  Ou seja, todos somos chamados a sermos amigos de Deus e também a levarmos nossos amigos para Deus. Muitas vezes exigirá de nós a morte pessoal em vista da salvação do outro. Feliz é aquele que dá a vida por um amigo.

Por fim, devemos buscar sustentar as nossas amizades no amor que vem do Coração de Deus. Deixar que Ele nos guie, nos oriente. Ele sabe o que é melhor para cada um de nós, e quem somos nós para dizermos o que é melhor para nós? E na oração, sempre de coração aberto, devemos ouvir a voz de Deus. Afinal, quem encontrou um amigo descobriu um tesouro.

 

Por Rafaela Cassimiro, membro da Comunidade Recado.

 

Referência

http://www.pt.josemariaescriva.info/artigo/o-que-e-que-os-papas-disseram-de-s-josemaria3f Acesso em 06/12/2017.