Abandonar-se para amar !

Abandonar-se para amar !

Iniciamos o mês de outubro celebrando a memória de Santa Teresinha do Menino Jesus, virgem e doutora da Igreja. Neste mês também é conhecido como o mês missionário, e santa Teresinha é a padroeira das missões. 
Santa Teresinha viveu uma infância de abandono e sofrimento, diante de todas as situações que viveu podemos nos perguntar como ela pôde manter o equilíbrio e tornar-se a carmelita confiante, alegre como nós a conhecemos. Eis o segredo: ela sempre acreditou na confiança como elemento fundamental de toda ação. 


Se Deus nos ama de forma gratuita, nada mais justo confiarmos Nele sem reservas, deixar Ele tomar e dar tudo que desejar, ou seja, fazer sua vontade sem fazer nada para si, nem mesmo a alegria de saber o resultado . Ajo porque tenho confiança, confio, portanto, ajo. 


Devido ao seu estado psicológico marcado por profundas feridas de amor, sentimento de abandono por conta da morte precoce de sua mãe, suas feridas foram transfiguradas pela busca incessante por Deus. “Viver de amor e amar até morrer de amor’’ por Cristo. A confiança no amor de Deus é a base de sua reconquista psicológica. 


No livro A História de uma alma, a própria “Santa” nos confessa que lhe foram necessários longos anos de lutas íntimas para chegar a tal culminância e nela se estabelecer: “Devia passar ainda por muitos cadinhos antes de atingir as praias da paz, antes de saborear os deliciosos frutos do abandono total e do perfeito amor”. 


Pode parecer muito estranho o fato de termos Santa Teresinha como Padroeira das Missões afinal ela jamais saiu de seu Carmelo em Lisieux, mas, olhando sua vida de forma profunda, descobrimos em Teresinha um coração essencialmente missionário. “No coração me repercutia, continuamente, o brado de Jesus na Cruz: “Tenho sede! ” Estas palavras acendiam em mim um ardor estranho e muito vivo”. 


Deus chama a cada um de nós a sermos missionários, a ofertarmos nossa vida, de fazer de cada instante uma oportunidade de amar a Deus e sermos canais da graça de Deus na vida do outro. 


‘’Deus chama somente almas livres para responder a amor com amor. Amar no abandono, abandonar-se para amar ‘’.


Por Paulinha Nogueira, membro da Comunidade Recado.

Referências 

Livro A História de uma Alma.
Livro Pouliquen, Tanguy Marie – A Confiança faz milagres.