A fortificação do meu Ministério pode ruir?

A fortificação do meu Ministério pode ruir?

Nos tempos do Antigo Testamento, podemos verificar várias passagens bíblicas que relatam que as cidades eram cercadas por muros de pedras. Esses muros tinham de ser fortes (daí vem o nome fortificação), pois, se assim não fosse, poderiam sofrer a invasão de inimigos que buscavam aumentar seu território, saquear os bens e maltratavam mulheres e crianças. “Deu brecha”, perde-se a cidade. Era assim que funcionava. Dada esta pequena explicação, vamos traçar um paralelo.

BAIXE GRÁTIS O livro que é considerado o Manual do Artista Católico | Luiz Carvalho

Assim está escrito no Livro do Profeta Ezequiel 13, 5: “Não subistes nas brechas, não construístes muro algum em torno da casa de Israel para resistir ao combate no dia do Senhor”. Nessa passagem, Deus falava de muros desgastados, cheios de brechas, que necessitavam que se reparasse ou que se fizesse uma nova construção. Mas, o povo estava distraído com falsas profecias que acabavam por agradar aos governantes e ao povo; eram parciais, cheias de superstições. Facilmente tudo aquilo poderia ser destruído.

Hoje venho alertar sobre as brechas que podem fazer ruir os muros, as fortificações, que protegem nossos Ministérios. Quando iniciamos um Ministério, temos o sincero e profundo desejo de servir a Deus e aos irmãos. Deus nos tocou em algum momento de nossas vidas, dissemos nosso “sim” e nos lançamos no serviço do Reino de Deus. Rezamos muito, aumentamos nosso grupo e o número daqueles que desejam servir. Neste momento, construímos nosso muro ao redor do nosso Ministério, para que o inimigo não nos saqueie.

BAIXE GRÁTIS O livro que é considerado o Manual do Artista Católico | Luiz Carvalho

Oramos, jejuamos, agimos com fraternidade. Estamos aumentando e fortificando nossas muralhas. Porém, por alguma razão, com o passar do tempo, surge uma fofoca; um descontentamento; a inveja; o rancor; a falta de perdão; o orgulho; a vaidade, entre outros “pecadinhos” ou “pequenos” desentendimentos. Formam-se partidos em algo que já é relativamente pequeno. Imaginemos um Ministério de Música com cinco integrantes. Como dividir algo que já conta com o necessário?

Esses pecadinhos, pequenas desavenças, “coisinhas”, começam a criar brechas naquele muro que antes mais parecia um “forte”. Esses pequenos buracos vão se tornando brechas, e estas comprometem a rigidez da construção. Com a construção frágil, muito facilmente o inimigo pode entrar, roubar nossos companheiros de ministério e nos roubar de nós mesmos; roubar nossa preciosa chance de salvação. O inimigo vem, saqueia, rouba, mata e destrói como nos alerta Jesus no Evangelho de João 10, 10. Temos a tendência de menosprezar essas “pequenas coisas” em nosso meio, mas devemos renunciá-las ao primeiro sinal.

BAIXE GRÁTIS O livro que é considerado o Manual do Artista Católico | Luiz Carvalho

E como podemos fechar essas brechas? Com o Sacramento da Penitência! A Confissão bem feita, abrangendo os “pecadinhos” e os “pecadões” é o remédio eficaz para fechar as brechas em nós e em nossos Ministérios. Convém que todos os membros do Ministério estejam sempre em estado de graça, ou seja, com a Confissão “em dia”, pois o inimigo fica à espreita, esperando um buraquinho para tentar destruir nossos sonhos sob a Vontade de Deus. Sejamos prudentes, cautelosos, façamos um exame de consciência de tudo aquilo que pode nos enfraquecer diante de Deus e dos homens. Pronto! No dia do combate, você e seu Ministério estarão protegidos!

 

Por Sara Pimentel, Membro da Comunidade Recado

 

 

Qual a forma de fazer as formações católicas chegarem ao Brasil e ao mundo? CLIQUE AQUI e temos uma solução.