A celebração da Missa é o centro de toda a vida cristã

A celebração da Missa é o centro de toda a vida cristã

Deus nos fez homens e mulheres dotados de inteligência a fim de podermos conhecer profundamente cada uma das coisas que nos são dadas, sempre com o intuito de podermos, livremente, aceitá-las ou repudiá-las; e o fez de tal modo que esta faculdade deveria ser exercida até para as coisas sagradas, partindo de premissa de que, muitas vezes, participamos dos ritos da Igreja sem saber ao certo o que significa cada uma das nossas ações, realizando-os de forma automática, sem amor, por obrigação e pecamos por não conhecer.

A fim de minorar este desconhecimento, que é meu também, resolvi estudar o modo como celebramos a missa e, desta forma, compartilhar com muitos a alegria de conhecer o centro da vida cristã. Inicialmente quero esclarecer que não poderemos postar de uma só vez todo o modus opperandi da estrutura da Missa, isso tonaria enfadonho o nosso conhecer, de tal forma que iremos, inicialmente tratar da estrutura da Missa, depois seus elementos e, por fim, suas partes. Nesta empreitada usaremos como roteiro a Instrução Geral do Missal Romano, pelo menos para darmos nossos primeiros passos.

O que primeiro precisamos ter em mente é que na Missa ou Ceia do Senhor se aplica, por excelência, a promessa de Cristo que nos é dada em Mateus, 18, 20: Pois onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome, ali estou eu no meio deles. Deste modo, e recordando que no Filho está o Pai e o Espírito Santo, é na Missa que podemos, em perfeita comunhão com a comunidade, reunida em assembleia em volta do Sacerdote, celebrar a Trindade Santa que se faz presente no meio de nós.

O Sacerdote, que preside a Missa, despoja-se completamente de sua humanidade em nossos olhos e corações, para que possa internalizar completamente ao Cristo, a fim de repetir o sacrifício da última grande ceia, quando nossos espíritos começaram a sentir a maior de todas as saudades: a despedida de Jesus Cristo feito homem.

A Santa Missa, mesmo que constituindo um ato único de culto, é composta de duas partes, que são: a liturgia da Palavra e a liturgia eucarística, uma vez que sobre a mesa estão postos a Palavra de Deus – que nos instrui – e o Corpo de Cristo – que nos alimenta - e para concluir esta união há, ainda, determinados ritos que inauguram e encerram a Ceia do Senhor, mas por hora ficaremos tão somente com estas perfunctórias informações, que nos faz ansiar por novos passos nesta caminhada eucarística.

Um fraterno abraço aos valentes de Deus, com a esperança de um novo e breve encontro.

 

Por: Liano Levy Vieira

Você acha que está faltando mais formação para os artistas católicos? Então CLIQUE AQUI e temos uma solução para te apresentar.