5 ensinamentos do Papa Francisco para as famílias

“A alegria do amor que se vive nas famílias é também o júbilo da Igreja”.

Essas são as palavras do Papa Francisco que abrem a Exortação Apostólica Amoris Laetitia, publicada em 2016, que trata especificamente sobre o amor nas famílias.

O documento é resultado de 2 Sínodos dos Bispos sobre a Família, que aconteceram em 2014 e 2015. E o seu objetivo é colocar a família no centro da atenção pastoral da Igreja, como protagonistas, por isso propõe ações práticas para serem vividas dentro do lar.

O padre Alexandre Awi Mello, secretário do Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida, afirma que a Amoris Laetitia é “uma carta de amor do Papa às famílias”.

Por isso, recolhemos 5 preciosos ensinamentos deste importante documento sobre as famílias para você ler, apreciar e meditar.

Afinal, o próprio Papa Francisco diz no documento: “não aconselho uma leitura geral apressada”, mas a “aprofundar pacientemente” cada palavra. Então, abra seu coração e não tenha pressa!

# 1º ensinamento às famílias: Amor é compaixão

“O amor possui sempre um sentido de profunda compaixão, que leva a aceitar o outro como parte deste mundo, mesmo quando age de modo diferente daquilo que eu desejaria” (AL, 92).

E neste sentido, o Santo Padre cita a paciência como a grande virtude para se conservar o amor nas famílias. E indica:

“Uma pessoa mostra-se paciente, quando não se deixa levar pelos impulsos interiores e evita agredir.” “Se não cultivarmos a paciência, sempre acharemos desculpas para responder com ira, acabando por nos tornarmos pessoas que não sabem conviver, antissociais incapazes de dominar os impulsos, e a família tornar-se-á um campo de batalha” (AL, 91).

# 2º ensinamento às famílias: Amar é tornar-se amável

“Amar é também tornar-se amável”, o que significa que nas famílias “o amor não age rudemente, não atua de forma inconveniente, não se mostra duro no trato”. Logo, “os seus modos, as suas palavras, os seus gestos são agradáveis; não são ásperos, nem rígidos”.

Por isso, o Papa propõe às famílias cortesia, como uma “escola de sensibilidade e altruísmo”. E essa escola “exige que a pessoa cultive a sua mente e os seus sentidos, aprenda a ouvir, a falar e, em certos momentos, a calar”.

E o Papa ainda alerta:

“Ser amável não é um estilo que o cristão possa escolher ou rejeitar: faz parte das exigências irrenunciáveis do amor, por isso todo o ser humano está obrigado a ser afável com aqueles que o rodeiam” (AL, 99).

# 3º ensinamento às famílias: Para amar é preciso desprendimento

É muito comum ouvirmos que “para amar os outros, é preciso primeiro amar-se a si mesmo”. Contudo, não é esse o ensinamento da Palavra de Deus, pelo contrário, São Paulo nos ensina que o amor “não procura o seu próprio interesse” (cf. 1 Coríntios 13,5).

Neste sentido, o Papa Francisco orienta as famílias:

“deve-se evitar de dar prioridade ao amor a si mesmo, como se fosse mais nobre do que o dom de si aos outros”.

E citou o exemplo das mães que “são as que mais amam, procuram mais amar do que ser amadas”. “Por isso, o amor pode superar a justiça e transbordar gratuitamente «sem nada esperar em troca» (Lc 6, 35), até chegar ao amor maior que é «dar a vida» pelos outros” (AL, 102).

# 4º ensinamento às famílias: É preciso perdoar-se para saber perdoar

“Para se poder perdoar, precisamos de passar pela experiência libertadora de nos compreendermos e perdoarmos a nós mesmos”.

O Papa nos ensina que os nossos erros ou o olhar crítico das pessoas que amamos nos fazem perder o amor a nós próprios. E isso nos faz viver de maneira a nos desviarmos do afeto e do carinho dos outros.

Por isso, ele nos diz:

“Faz falta rezar com a própria história, aceitar-se a si mesmo, saber conviver com as próprias limitações e inclusive perdoar-se, para poder ter esta mesma atitude com os outros” (AL, 107).

# 5º ensinamento às famílias: O amor conjugal é a amizade maior

Quantos casais já se separaram porque disseram descobrir estar vivendo uma amizade e não mais um amor, quando na verdade “o amor conjugal é a amizade maior”.

Sobre isso, o Papa Francisco que o matrimônio “é uma união que tem todas as características de uma boa amizade: busca do bem do outro, reciprocidade, intimidade, ternura, estabilidade e uma semelhança entre os amigos que se vai construindo com a vida partilhada”.

Logo a diferença de uma amizade comum para a amizade do matrimônio, é que ao matrimônio “acrescenta a tudo isso uma exclusividade indissolúvel, que se expressa no projeto estável de partilhar e construir juntos toda a existência”.

O Sumo Pontífice ainda recorda às famílias que “a união, que se cristaliza na promessa matrimonial para sempre, é mais do que uma formalidade social ou uma tradição, porque radica-se nas inclinações espontâneas da pessoa humana. E, para os crentes, é uma aliança diante de Deus, que exige fidelidade” (AL, 123).

Semana Nacional das Famílias no Mês das Vocações

O mês de agosto é especial dentro da Igreja porque é dedicado a todas as vocações. Desta forma, a cada domingo somos convidados a refletir sobre uma das vocações:

  • No 1º domingo, a vocação sacerdotal;
  • No 2º domingo, a vocação matrimonial;
  • No 3º domingo, a vida consagrada;
  • No 4º domingo, as vocações leigas;
  • E no 5º domingo, quanto há, celebra-se o dia do catequista.

Contudo, devido a grande importância das famílias para a sociedade e para a Igreja, a partir do 2º domingo até o sábado seguinte vivemos a Semana Nacional da Família.

O objetivo é recordar às famílias que elas são a extensão da Igreja em casa, ou seja, a família é a “igreja doméstica”, onde se ensinam os verdadeiros valores. 

Para isso são promovidas diversas atividades em todo o país, a partir da criatividade pastoral e da realidade de grupos, famílias, comunidades e dioceses.

Portanto, aproveitemos a Semana Nacional das Famílias para olhar para nosso proceder, a partir dos ensinamentos do Papa Francisco, a fim de repensar nossos conceitos e atitudes.

Facebook
Twitter
Telegram
WhatsApp
Email

Leia também:

Rezemos uns pelos outros

“A intercessão é uma oração de petição que nos conforma de perto com a oração de Jesus. É Ele o único intercessor junto do Pai em favor de todos os homens, em particular dos pecadores. Ele ‘pode salvar de maneira definitiva aqueles que, por seu intermédio, se aproximam de Deus, uma vez que está sempre vivo, para interceder por eles.” (Catecismo da Igreja Católica, 2634)

Leia mais »

Deixe um comentário

Comunidade Recado

© 2021 comunidade católica recado. feito por fluxo soluções digitais.

plugins premium WordPress